Health

Dengue e doenças transmitidas por mosquitos aumentam na Europa devido às mudanças climáticas

O mosquito responsável pela propagação do vírus do Nilo Ocidental é nativo da Europa (Representacional)

Os casos de dengue e outras doenças transmitidas por mosquitos estão a aumentar significativamente na Europa, à medida que as alterações climáticas criam condições mais quentes que ajudam a propagação dos mosquitos invasores, alertou a agência de saúde da UE na terça-feira.

Em 2023, foram notificados 130 casos de dengue adquiridos localmente na região que compreende a União Europeia (UE) mais a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega (EEE), em comparação com 71 em 2022.

Este foi um “aumento significativo” em relação ao período 2010-2021, quando o número para todo o período foi de 73, disse o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC), com sede em Estocolmo.

Os casos importados também aumentaram, com 1.572 casos em 2022 e 4.900 em 2023, “o número mais elevado” desde o início da monitorização da UE em 2008.

“A Europa já está a ver como as alterações climáticas estão a criar condições mais favoráveis ​​para que mosquitos invasores se espalhem em áreas anteriormente não afetadas e infectem mais pessoas com doenças como a dengue”, disse a diretora do ECDC, Andrea Ammon.

“O que podemos ver é que existe uma ligação entre uma temperatura mais elevada no verão, um inverno mais ameno e a propagação dos mosquitos em áreas onde não estão presentes neste momento”, disse Ammon numa conferência de imprensa.

Para o vírus do Nilo Ocidental, foram notificados 713 casos adquiridos localmente em 123 regiões diferentes em nove países da UE em 2023, e 67 mortes.

Embora o número de casos tenha diminuído em relação aos 1.133 em 2022, o número de regiões afetadas foi o mais elevado desde 2018.

O mosquito responsável pela propagação do vírus do Nilo Ocidental, Culex pipiens, é nativo da Europa e está presente em toda a UE/EEE, afirmou o ECDC.

O mosquito Aedes albopictus, conhecido por transmitir os vírus da dengue, da chikungunya e do zika, “está a espalhar-se mais a norte, a leste e a oeste da Europa e tem agora populações autossustentáveis ​​em 13 países da UE/EEE”, afirmou o ECDC.

A espécie Aedes aegypti, responsável pela propagação da febre amarela, dengue, chikungunya e zika, estabeleceu-se recentemente em Chipre e em várias regiões ultraperiféricas da UE, como a Madeira e as ilhas francesas das Caraíbas, afirmou.

“É amplamente previsto que as alterações climáticas terão um grande impacto na propagação de doenças transmitidas por mosquitos na Europa, por exemplo, através da criação de condições ambientais favoráveis ​​ao estabelecimento e crescimento de populações de mosquitos”, afirmou o ECDC.

A agência disse que o estabelecimento de medidas coordenadas, como redes insecticidas e pulverização residual interior, era crucial para combater doenças transmitidas por mosquitos, bem como medidas simples, como a remoção de água estagnada de varandas e jardins e esforços de protecção pessoal para reduzir o risco de picadas de mosquito.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button