Health

Bilionários pró-Israel pediram repressão em Nova York aos protestos em Gaza: Relatório

Vazamentos no WhatsApp revelam que um grupo de líderes empresariais discutiu maneiras de pressionar as autoridades a libertar os manifestantes pró-Palestina.

Um punhado de empresários poderosos pressionou o prefeito de Nova York, Eric Adams, a usar a polícia para reprimir os manifestantes estudantis pró-palestinos na Universidade de Columbia, doando ao político e oferecendo-se para pagar investigadores particulares para ajudar a dispersar as manifestações, informou o Washington Post. relatado, com base em conversas vazadas do WhatsApp.

A história, publicada na quinta-feira, diz que vários bilionários que procuravam influenciar a percepção pública da guerra de Israel em Gaza discutiram meios de pressionar o prefeito e o presidente da universidade a encerrar os protestos, que acabaram sendo eliminados no mês passado em meio a críticas à mão pesada da polícia. resposta.

“Um membro do grupo de bate-papo do WhatsApp disse ao Post que doou US$ 2.100, o limite máximo legal, para Adams naquele mês”, diz a história.

“Alguns membros também se ofereceram para pagar investigadores particulares para ajudar a polícia de Nova York no tratamento dos protestos, mostra o registro do bate-papo – uma oferta que um membro do grupo relatou no bate-papo que Adams aceitou.” A história afirma que as autoridades municipais negaram que investigadores particulares tenham sido usados ​​para ajudar a administrar os protestos.

O relatório surge num momento em que as universidades de todo o país continuam a empregar a força contra o activismo pró-Palestina, levantando preocupações sobre a repressão da expressão política. Várias universidades negociaram com sucesso com acampamentos de estudantes, que apelaram ao desinvestimento de empresas envolvidas na guerra de Israel em Gaza e ao boicote às instituições israelitas.

O bate-papo do WhatsApp citado pelo Washington Post incluía empresários proeminentes como o ex-CEO da Starbucks Howard Schultz, o fundador e CEO da Dell, Michael Dell, o gestor de fundos de hedge Bill Ackman e Joshua Kushner, irmão do genro do ex-presidente Donald Trump e conselheiro em Questões do Oriente Médio, Jared Kushner.

Outros líderes, como o fundador da empresa de salgadinhos Daniel Lubetzky, o gestor de fundos de hedge Daniel Loeb, o bilionário Len Blavatnik e o investidor imobiliário Joseph Sitt também disseram que realizaram uma reunião por vídeo com o prefeito Adams em 26 de abril.

O envio da polícia pouco fez para atenuar o ânimo dos manifestantes pró-Palestina e, em alguns casos, levou a um maior apoio por parte do corpo docente e dos colegas estudantes.

Embora os apoiantes das medidas repressivas digam que são necessárias para garantir a segurança dos estudantes judeus, alguns dos quais dizem ter-se sentido incomodados pela retórica anti-Israel nos protestos, os estudantes pró-Palestina – muitos deles judeus – enfrentaram o peso da repressão. violência em protestos em todo o país, com poucas expressões de preocupação por parte das autoridades.

No início desta semana, um sindicato que representa cerca de 48.000 trabalhadores estudantes graduados na Califórnia autorizou uma greve devido ao tratamento dispensado aos estudantes manifestantes em universidades como a Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), onde uma multidão pró-Israel atacou um grupo pró-Palestina. acampamento com canos de metal e maça enquanto a polícia aguardava. Vários ativistas pró-Palestina foram hospitalizados.

No dia seguinte, a polícia avançou para limpar o acampamento pró-Palestina.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button