Health

A ONU disse realmente que Israel matou menos pessoas em Gaza?

A ONU disse realmente que menos pessoas foram mortas por Israel em Gaza?

Não, é a resposta curta.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) publicou em 8 de maio um infográfico que referia um número de 34.844 mortes palestinas no total.

Abaixo disso, dizia sobre as mortes: “24.686 identificados até 30 de abril como: 10.006 homens, 4.959 mulheres, 7.797 crianças, 1.924 idosos”.

O gráfico utilizou os números do Ministério da Saúde de Gaza (MS) e incluiu uma nota de que os números “não incluíam mais de 10.000 desaparecidos ou sob os escombros”.

Os números dos corpos que foram identificados foram aproveitados por muitos meios de comunicação social, enquanto a ONU “revisava” as suas estimativas do número de mulheres e crianças que Israel matou no seu ataque a Gaza.

Em vez disso, a ONU estava a publicar as informações mais recentes do Ministério da Saúde de Gaza sobre o seu progresso num esforço massivo para identificar os mortos.

A ONU confirmou isto na segunda-feira, quando o porta-voz Farhan Haq, respondendo a uma pergunta de Gabriel Elizondo da Al Jazeera, disse que a repartição actualizada se referia apenas ao número menor de 24.686 mortos.

“Há cerca de mais de 10 mil corpos que ainda precisam ser totalmente identificados, e então os detalhes deles – quais deles são crianças, quais deles são mulheres – serão restabelecidos assim que o processo de identificação completo for concluído”, disse Haq. na ONU em Nova York.

Qual foi a estimativa 'inicial'?

O número estimado do número total de pessoas mortas por Israel em Gaza e de pessoas desaparecidas sob os escombros ou noutros locais nunca mudou.

Na terça-feira, o número total era de 35.173 pessoas mortas por Israel em Gaza desde o início da guerra, há mais de sete meses.

Oitenta e duas dessas pessoas foram mortas nas últimas 24 horas.

De onde vêm os números de vítimas?

Todos os números de vítimas – mortes identificadas e não identificadas – bem como de pessoas desaparecidas são gerados pelo Ministério da Saúde de Gaza.

Os críticos criticam frequentemente o Ministério da Saúde por ser administrado pelo Hamas, o que implica que os seus números não são confiáveis.

No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou na terça-feira que tem total confiança nos números do Ministério da Saúde.

As estatísticas do Ministério da Saúde também foram verificado pela Human Rights Watch e utilizado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos em conflitos anteriores e ainda em março de 2023, apesar do presidente dos EUA, Joe Biden, questionar esses números sem provas.

O que é esse 'novo número'?

O chamado “novo número” de 24.686 refere-se apenas aos corpos já identificados – desses, 7.797 eram crianças, 4.959 mulheres e 1.924 eram idosos.

Isso significa que mais de 10 mil corpos recuperados ainda não foram identificados.

Além disso, estima-se que 10 mil pessoas continuam desaparecidas, provavelmente soterradas sob os escombros em Gaza.

Esse número vai mudar?

“O facto de termos agora 25 mil pessoas identificadas é um passo em frente”, disse o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, à imprensa em Genebra, na terça-feira.

“Há cerca de mais de 10 mil corpos que ainda precisam ser totalmente identificados, e então os detalhes desses – quais deles são crianças, quais deles são mulheres – serão restabelecidos assim que o processo de identificação completo for concluído”, O porta-voz da ONU, Haq, disse.

Israel tem estado sob pressão internacional consistente devido ao número de mortos em Gaza.

Alguns meios de comunicação aproveitaram a repartição dos números porque a ONU reviu os seus números para um “número mais realista” – sem esclarecer – como prova do preconceito anti-Israel dentro da ONU.

Nos últimos dias, o Egipto – com quem Israel mantém uma trégua desde 1979 – juntou-se ao caso da África do Sul contra Israel no Tribunal Internacional de Justiça, acusando Israel de genocídio.

Durante uma aparição no podcast Call Me Back, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pareceu fazer referência à mudança, dizendo que o exército israelense “foi capaz de manter a proporção de civis em relação aos combatentes mortos… [to] uma proporção de cerca de um para um”.

“Quatorze mil combatentes foram mortos”, continuou ele, “e provavelmente cerca de 16 mil civis foram mortos”.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button