Health

A escritora canadense ganhadora do Nobel Alice Munro morre aos 92 anos

Munro era conhecida por seus contos, que enfocavam as fragilidades da condição humana.

Alice Munro, autora canadense ganhadora do Prêmio Nobel e conhecida por seu domínio do conto, morreu aos 92 anos.

Munro morreu em sua casa em Port Hope, Ontário, disse a editora Kristin Cochrane, CEO da McClelland & Stewart, em comunicado na terça-feira.

“A escrita de Alice inspirou inúmeros escritores… e seu trabalho deixa uma marca indelével em nosso cenário literário”, disse Cochrane.

Munro publicou mais de uma dúzia de coleções de contos, que ela enfocou nas fragilidades da condição humana e ambientados na zona rural de Ontário, onde ela cresceu.

Galardoada com o Prémio Internacional Booker pelo seu trabalho em 2009, e com o Prémio Nobel da Literatura em 2013, Munro foi diagnosticada com demência há cerca de uma década e vivia num lar de idosos.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, disse que o mundo “perdeu um de seus maiores contadores de histórias”.

“Um verdadeiro gênio literário… seus contos sobre a vida, a amizade e a conexão humana deixaram uma marca indelével nos leitores”, disse ele.

Munro nasceu em 10 de julho de 1931, em Wingham, Ontário. Seu pai criava raposas e aves, enquanto sua mãe era professora em uma pequena cidade.

Munro decidiu que queria ser escritora quando tinha 11 anos e nunca hesitou em sua escolha profissional.

“Acho que talvez tenha conseguido fazer isso porque não tinha nenhum outro talento”, explicou ela certa vez em uma entrevista.

“Não sou realmente um intelectual”, disse Munro. “Nunca houve mais nada que eu realmente gostasse de fazer, então nada interferiu na forma como a vida interfere para tantas pessoas.”

“Sempre parece mágica para mim.”

A primeira história de Munro, The Dimensions of a Shadow, foi publicada em 1950, enquanto ela estudava na University of Western Ontario.

Munro recebeu três vezes o Prêmio Governador Geral de ficção, o primeiro por Dança das Sombras Felizes, uma coleção de histórias publicada em 1968. Quem você pensa que é (1978) e O progresso do amor (1986) também ganhou o prêmio mais alto do Canadá. honra literária.

Seus contos foram frequentemente publicados nas páginas de revistas de prestígio, como The New Yorker e The Atlantic. Sua última coleção de trabalhos, Dear Life, apareceu em 2012.

Os personagens das histórias de Munro eram muitas vezes meninas e mulheres que levavam vidas aparentemente normais, mas lutavam com questões que iam desde o abuso sexual e casamentos sufocantes até o amor reprimido e a devastação da idade.

Ela foi frequentemente comparada a Anton Chekhov, o russo do século XIX conhecido pelos seus contos brilhantes – uma comparação feita pela Academia Sueca quando lhe concedeu o Prémio Nobel.

Chamando Munro de “mestre do conto contemporâneo”, a Academia também disse: “Seus textos muitas vezes apresentam representações de eventos cotidianos, mas decisivos, uma espécie de epifanias, que iluminam a história circundante e permitem que questões existenciais apareçam num relâmpago. ”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button