Health

Hamas mantém conversações com Egito e Catar enquanto cresce a esperança de um acordo de trégua em Gaza

Mais de 34.600 palestinos foram mortos no ataque de Israel

Cairo:

Os negociadores do Hamas iniciaram negociações intensificadas no sábado sobre uma possível trégua em Gaza que levaria ao retorno a Israel de alguns reféns, disse um funcionário do Hamas à Reuters, com o diretor da CIA presente no Cairo.

O Hamas Uma delegação chegou do gabinete político do movimento islâmico palestiniano no Qatar, que, juntamente com o Egipto, tentou mediar o seguimento de um breve cessar-fogo em Novembro, no meio da consternação internacional com o crescente número de mortes em Gaza e a situação dos seus 2,3 milhões de habitantes.

Taher Al-Nono, funcionário do Hamas e conselheiro do chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, disse que as reuniões com mediadores egípcios e do Catar haviam começado e que o Hamas estava abordando suas propostas “com total seriedade e responsabilidade”.

No entanto, reiterou a exigência de que qualquer acordo inclua a retirada israelita de Gaza e o fim da guerra, condições que Israel rejeitou anteriormente.

“Qualquer acordo a ser alcançado deve incluir as nossas exigências nacionais; o fim completo e permanente da agressão, a retirada total e completa da ocupação da Faixa de Gaza, o regresso dos deslocados às suas casas sem restrições e um verdadeiro acordo de troca de prisioneiros, além da reconstrução e do fim do bloqueio”, disse Nono à Reuters.

Uma autoridade israelense sinalizou que a posição central de Israel permanecia inalterada, dizendo que “sob nenhuma circunstância” concordaria em encerrar a guerra em um acordo para libertar reféns.

A guerra começou depois que o Hamas surpreendeu Israel com um ataque transfronteiriço em 7 de outubro, no qual 1.200 pessoas foram mortas e 252 reféns feitos, segundo dados israelenses.

Mais de 34.600 palestinos foram mortos – 32 deles nas últimas 24 horas – e mais de 77 mil ficaram feridos no ataque de Israel, segundo o Ministério da Saúde de Gaza. O bombardeio devastou grande parte do enclave.

Enquanto decorriam as reuniões no Cairo, as forças israelitas afirmaram ter matado Aiman ​​Zaarab, que teriam sido um líder das forças da Jihad Islâmica no sul do país. Gaza e participou do ataque de 7 de outubro.

CRESCE A ESPERANÇA PARA UM ACORDO DE TRÁS

Antes do início das negociações, havia algum otimismo.

“As coisas parecem melhores desta vez, mas a existência de um acordo dependerá de Israel ter oferecido o que é necessário para que isso aconteça”, disse à Reuters uma autoridade palestina com conhecimento dos esforços de mediação, que pediu para não ser identificada.

Washington – que, tal como outras potências ocidentais e Israel, classifica o Hamas como um grupo terrorista – instou-o a celebrar um acordo.

Contudo, o progresso tropeçou devido à exigência de longa data do Hamas de um compromisso para pôr fim à ofensiva. Israel insiste que após qualquer trégua retomaria as operações destinadas a desarmar e desmantelar a facção.

O Hamas disse na sexta-feira que iria ao Cairo com “espírito positivo” depois de estudar a última proposta, da qual pouco foi tornado público.

Israel deu um aceno preliminar aos termos que uma fonte disse incluirem o retorno de entre 20 e 33 reféns em troca da libertação de centenas de prisioneiros palestinos e de uma trégua de várias semanas.

Isso deixaria cerca de 100 reféns em Gaza, alguns dos quais, segundo Israel, morreram no cativeiro. A fonte, que pediu para não ser identificada por nome ou nacionalidade, disse à Reuters que o retorno deles pode exigir um acordo adicional.

“Isso poderia implicar um fim de facto, se não formal, da guerra – a menos que Israel de alguma forma os recupere através da força ou gere pressão militar suficiente para fazer o Hamas ceder”, disse a fonte.

Fontes egípcias disseram que o diretor da CIA, William Burns, chegou ao Cairo na sexta-feira. Ele esteve envolvido em negociações de trégua anteriores e Washington sinalizou que desta vez pode haver progresso.

A CIA recusou-se a comentar o itinerário de Burns.

O Cairo fez um novo esforço para relançar as conversações no final do mês passado, alarmado com a perspectiva de um ataque israelita contra o Hamas na cidade de Gaza, no sul de Gaza. Rafaonde mais de 1 milhão de palestinos se refugiaram perto da fronteira com o Egito.

Uma tal operação israelita poderia inviabilizar as frágeis operações humanitárias em Gaza e pôr em perigo muito mais vidas, segundo responsáveis ​​da ONU. Israel afirma que não será dissuadido de eventualmente tomar Rafah e está a trabalhar num plano para evacuar os civis.

As conversações de sábado no Cairo ocorrem num momento em que o Catar revê o seu papel como mediador, de acordo com uma autoridade familiarizada com o pensamento de Doha. O Qatar pode deixar de acolher o gabinete político do Hamas, disse o responsável, que não sabia se, num tal cenário, os delegados do grupo palestiniano também poderiam ser convidados a sair.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button