Health

‘Vai ser pior’: Brasil se prepara para mais dor em meio a enchentes recordes

O número de mortos subiu para 56 no estado do Rio Grande do Sul, no sul do Brasil, com dezenas de milhares de deslocados.

Enchentes e deslizamentos de terra causados ​​por chuvas torrenciais continuam a varrer o sul do Brasil, matando pelo menos 56 pessoas e forçando dezenas de milhares a deixarem suas casas, disse o governo.

Além de aumentar o número de mortos no sábado, a agência de defesa civil do país disse que o aumento do nível das águas no estado do Rio Grande do Sul estava sobrecarregando as barragens e ameaçando a metrópole de Porto Alegre.

Desencadeadas pelas tempestades que começaram na segunda-feira, as inundações só deverão piorar, disseram as autoridades locais, enquanto as equipes de resgate vasculhavam as ruínas de casas, pontes e estradas destruídas em busca de pessoas desaparecidas.

“Esqueça tudo o que você viu, vai ser muito pior na região metropolitana”, disse o governador Eduardo Leite na sexta-feira, enquanto as ruas do estado ficavam submersas.

'Nada poderia ser salvo'

As enchentes, as piores do Brasil em 80 anos, afetaram até agora pelo menos 265 municípios do Rio Grande do Sul, segundo a Defesa Civil do estado mais ao sul.

Feriu pelo menos 74 pessoas, deslocou mais de 24 mil e deixou 350 mil com algum tipo de danos materiais.

“Nada poderia ser salvo”, disse Claudio Almiro, que perdeu sua casa e seus pertences nas enchentes.

“Muitas pessoas até perderam a vida. Levanto minha mão ao céu e agradeço a Deus por estar vivo.”

Uma casa inundada no bairro Sarandi, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, em 3 de maio de 2024 [Anselmo Cunha/AFP]

Os residentes de várias cidades e vilas ficaram completamente isolados do mundo, sem electricidade ou acesso telefónico, enquanto outros foram forçados a abandonar o seu gado.

“Não se sabe se a água vai continuar subindo ou o que vai acontecer com os animais, eles podem se afogar em breve”, disse Raul Metzel, de Capela de Santana, norte da capital do estado.

Cinco dias depois, enquanto as chuvas não dão sinais de diminuir, quatro barragens do estado correm risco de rompimento, criando o risco de uma nova “situação de emergência”, segundo autoridades da Defesa Civil.

O governo federal do Brasil enviou aviões, barcos e mais de 600 soldados para ajudar a limpar estradas, distribuir alimentos, água e colchões, e montar abrigos, enquanto voluntários locais também ajudaram nos esforços de busca.

Chuvas e deslizamentos de terra matam 29 no 'pior desastre' do sul do Brasil
O voluntário Anilto Alvares da Silva se prepara para procurar moradores presos dentro de suas casas no bairro Quilombo, em São Sebastião do Cai, Rio Grande do Sul, Brasil, em 2 de maio de 2024 [Anselmo Cunha/AFP]

‘Coquetel desastroso’

O climatologista Francisco Eliseu Aquino disse que as tempestades devastadoras foram o resultado de um “cocktail desastroso” do aquecimento global e do fenómeno climático El Niño.

O maior país da América do Sul passou recentemente por uma série de eventos climáticos extremos, incluindo um ciclone em Setembro que matou pelo menos 31 pessoas.

Aquino disse que a geografia específica da região significa que esta é frequentemente confrontada pelos efeitos da colisão de massas de ar tropicais e polares – mas estes eventos “intensificaram-se devido às alterações climáticas”.

E quando coincidem com o El Nino, um aquecimento periódico das águas no Pacífico tropical, a atmosfera torna-se mais instável, disse ele.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button